22 abril 2009

Erro ou Prova?




O catálogo especializado classifica este exemplar como erro de impressão.
À sua catalogação correspondem cotações altas em todas as colunas (novo, com e sem sinal de charneira e em usado, solto e múltiplos e ainda sobre peça circulada).
Foram feitos vários ensaios e provas desta emissão. Existe uma multiplicidade de provas (denteadas ou não) sendo a esmagadora maioria em papel porcelana. Estas peças estão bem identificadas e ilustradas na obra do Dr. Claudino Pereira (1). Nesta, encontramos o "20 réis castanho" classificado como Prova de Cor. Também, este outro em azul.

Porque não um erro de cor? Esta é a tonalidade da taxa de 50 réis...


Na Galeria do SP (2) poderemos observar algumas peças (não denteadas) da colecção pessoal do Eng. Manuel Janz.
O Prof. Oliveira Marques no primeiro volume da sua obra (3), sobre esta emissão, refere: "... Conhecem-se muito poucas variedades, porque a emissão circulou apenas durante nove meses (Janeiro a Outubro de 1910): o selo de 5 réis existe com goma avermelhada e o de 200 réis em papel amarelo (é possível que este não seja mais do que o papel salmão alterado). Há ainda uma prova de cor do selo de 20 réis, impresso no tom castanho do de 25 réis."
Na obra com a sua colecção pessoal, descrita como erro de impressão, o Eng. Albertino de Figueiredo exibe esta quadra obliterada.



Em usado... Será?

Assim, são legítimas as reticências sobre a classificação ERRO atribuída a este exemplar. Já tive a oportunidade de observar alguns exemplares isolados, em novo.

Quando apresentarem um exemplar sobre peça circulada - está cotado, presumo pois que exista - talvez venha a alterar a opinião que tenho neste momento: PROVA DE COR.




Sem comentários: