07 dezembro 2009

Falsos Filatélicos (1)



Muitos são os falsos filatélicos que infestam os leilões, quer em sala quer online. As tradicionais casas do comércio filatélico também não estão imunes a esta praga. Por ser verdade e da mais elementar justiça, convém sublinhar que parte das classificações e descrições incorrectas não são fruto de fraude mas tão só do desconhecimento ou falta de atenção na apreciação, ou seja, inconscientemente.
Informar, evitar e despertar a atenção dos filatelistas menos familiarizados com os clássicos serão os únicos propósitos com os exemplos que passarei a ilustrar aqui no blog – por não se enquadrar no âmbito, não me preocuparei com o facto de as peças terem sido ou não transaccionadas.
Tentarei demonstrar e alicerçar da melhor forma possível as minhas apreciações e agradecerei todo e qualquer comentário construtivo sobre as peças e exemplares em análise.




Pela descrição estamos perante uma raridade: são pouco comuns os selos em denteado 14; o duplo denteado nas emissões em relevo são raríssimos – não me recordo de já ter observado este tipo de erro nestas emissões. Mas como raro não é sinónimo de impossível...
Verificamos facilmente que o denteado é 13 ½ e não 14. Nas emissões “fita direita”, o denteado 14 tem 17 dentes nas margens horizontais e 19 nas margens verticais. Os denteados 13 ½ e 12 ½ têm 16/18 e 15/17 dentes, respectivamente.

O duplo denteado, a meu ver, é fraudulento:

  1. As folhas (28 selos / 4x7) foram perfuradas com uma ferramenta de grade;
  2. Tracei linhas rectas paralelas no alinhamento das perfurações para observar a inclinação. Como seria espectável, os denteados superior e inferior apresentam a mesma inclinação. Já o denteado interior não a acompanha. Poder-se-á retorquir que a segunda perfuração foi feita com a folha deslocada e ligeiramente inviesada. Claro que sim, mas, nesse caso, a inclinação manifestar-se-ia também no denteado vertical;
  3. Como último argumento - talvez a machadada final -, o diâmetro da furação interior é diferente das restantes.


Sem comentários: