11 dezembro 2009

Correio Marítimo: barcos não subsidiados



Concorrentes dos Paquetes Transatlânticos Subsidiados, os Navios Mercantes/Paquetes não Subsidiados, nacionais e estrangeiros, que tocavam nos nossos portos, também transportaram malas postais para a América do Sul, cujos portes eram bem mais económicos:
 

Mondim de Basto (??.09.1876) → Lisboa (19.09) → Rio de Janeiro (18.10)
sobrescrito remetido de Mondim de Basto para o Rio de Janeiro, circulado em barco não subsidiado

franquia
CE 36 - 5 réis, tipo VIII, em papel liso e denteado 12 1/2

CE 40 - 25 réis (tira de 3, vertical), tipo I, em papel liso e denteado 12 1/2



Período: a partir 1 de Julho de 1853 a 30 de Setembro de 1870 
As cartas eram franqueadas apenas com o porte territorial, de acordo com a tarifário interno em vigor.
Obs: Os destinatários pagavam o porte aplicável em cada país.

Período: de 1 de Outubro de 1870 a 30 de Junho de 1876
Até 10g inclusive - 80r
cada 10g ou fracção a mais - 80r

Obs: Deixou-se de pagar o porte territorial, enviando-se as cartas franqueadas com selos ou em dinheiro.

Período: de 1 de Julho de 1876 a 30 de Junho de 1877
Até 15g inclusive - 80r
cada 15g ou fracção a mais - 80r

Obs: As cartas continuaram a ser franqueadas com selos ou em dinheiro.

Período: a partir de 1 de Julho de 1877
Até 15g inclusive - 50r
cada 15g ou fracção a mais - 50r
Obs: Para os países aderentes da então denominada União Geral dos Correios, as cartas ou eram franqueadas ou seguiam porteadas, passando a ser admitido o registo (100 réis) que era pago conjuntamente com o respectivo porte, através de selos.



bibliografia:
VIEIRA, Armando Mário O. (1983) Selos Clássicos de Relevo de Portugal. Porto: N.F.A.C.P.

 


Sem comentários: